PLANOS - Por Mariana Morita - Woman To Be

Muitas pessoas têm certa dificuldade em planejar algo e concretizar o que foi traçado. Esta, por incrível que pareça, não é uma dificuldade que eu tenho. Em geral, eu consigo planejar algo e seguir em frente até atingir o que eu havia me proposto. É claro que isso ocorre de forma muito mais fácil e fluída em relação a objetivos de curto prazo, pois quanto mais longe a meta se encontra mais temos que lidar com imprevistos que não conseguimos controlar e mais difícil se torna atingir o objetivo final, pelo menos no tempo inicialmente pensado. Parte da minha facilidade em cumprir com o que planejei eu acho que vem do fato de eu constante mente reavaliar e mudar minhas estratégias ao longo do percurso.

Como várias coisas na vida, eu nunca tinha reparado que tinha este tipo de facilidade e que operava desta forma (fazendo constantes ajustes durante o processo), até que isso me foi apontado por outra pessoa. E, após essa descoberta, comecei a reparar que de fato era o que acontecia. Como era algo natural para mim, nunca havia me dado conta de que para boa parte das pessoas não era. Geralmente o que eu faço é traçar um plano para atingir um determinado objetivo, distribuindo as tarefas necessárias ao logo dos dias e semanas seguintes. Enquanto vou fazendo as tarefas propostas eu vou percebendo o que está ou não funcionando/sendo possível e realizar – uma coisa que aprendi é que metas impossíveis de cumprir só fazem desmotivar a gente. De qualquer forma, para mim, todo esse mecanismo parece muito tranquilo de ser feito. Mas não é bem assim.

Eu costumava achar que as pessoas que têm dificuldade em cumprir o que planejam eram só um pouco desorganizadas. Isto até pode ser em parte verdade, mas não se trata de algo tão simples. Não sei explicar o motivo e as razões que levam certas pessoas a serem assim ou assado, o que sei é que se trata de um problema real para alguns, que traz bastante frustração e angústia. E por mais que a pessoa tente mudar, é algo difícil, que para ela não vem naturalmente, requer muito esforço. O lado positivo é a flexibilidade, pois em geral essas pessoas tendem a ligar menos para acontecimentos inesperados que as impedem de concretizar algo inicialmente planejado.

Da mesma forma, no meu caso, há o lado negativo. Aqui volto a falar dos imprevistos citados anteriormente. Isso porque muitas e muitas vezes o que planejamos acaba sendo interrompido e mudado pelos acontecimentos da vida. Sim, como disse uma amiga minha há alguns dias “a vida vem e muda seus planos”. E é exatamente isso o que acontece diversas vezes. Mas, apesar de natural, isso me causa grande angústia, pois quero seguir com o planejado e algo literalmente me impede de fazer isso. Sou adaptável e consigo ser razoavelmente flexível para fazer as mudanças necessárias, mas isso não deixa de ser extremamente frustrante para mim.

Não por coincidência, os dois pontos negativos que citei são exatamente os mesmos tanto para as pessoas que conseguem quanto para as que não conseguem seguir um plano até o final: frustração e angústia. Acredito que ambas as partes sofram de forma parecida por motivos diferentes, mas nem tão diferentes assim. Como nos ensina o filósofo Aristóteles, o meio-termo seria o ideal, sendo os extremos condenáveis. Enquanto não atinjo esse equilíbrio tão desejável, continuo aqui lutando para manter o meu checklist e a minha sanidade em dia, mas que é difícil, isso é.

Mariana Morita
Interessada pelo comportamento humano, observadora do cotidiano e eterna curiosa.

Pin It on Pinterest

Share This